quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Milhas Marítimas





Tenho ido longe navegando através das lágrimas
Dias e noites atravessando este mar
Imaginado cada passo seu
E sonhando com você em meus braços  

Ah! Saudade que aperta o coração
E mexe até com a alma
Quando a vontade de estar junto é muito maior que a distancia que separa
E o desejo de receber um abraço bem apertado enche de ansiedade o coração

Então, conto os minutos, conto cada segundo
Não me contendo na ansiedade
De ver seu sorriso, e receber seus carinhos
Anulando completamente a distancia que nos separa
Secando assim as águas que enchem este mar

Prossigo contando os minutos
Continuo contando cada segundo
Para poder te ver
Poder te ver e te abraçar
Assim como as ondas se lançam sobre a praia 
Assim como a praia abraça as ondas do mar

Te desejo a todo instante, não imagino a minha  vida sem a sua vida
Ver o brilho do sol e não poder ver o brilho de seus olhos
O que seria da minha vida sem a luz da sua vida?
E das noites de céu estrelado sem poder dividi-las com você?
Como adentrar um futuro sozinho se traçamos nossos planos juntos?
E um passo para qualquer direção apenas me é possível com você!

É por você, que venho navegando através destas lágrimas
Porque acredito que a distancia não separa quem deseja estar junto
E que todas estas lágrimas 
Que venho derramando por todo este tempo
Convertem esta distancia em milhas marítimas  

As quais eu navego na certeza de te encontrar no fim deste mar a me esperar
As quais eu atravesso ciente de encontrar você na beira da praia a me aguardar
Para matar a saudade em um abraço bem apertado
E receber as boas vindas no brilho deste seu sorriso  

Que resplandece para mim mais que qualquer estrela
E brilha de forma intensa no céu da minha vida
Que se faz como um farol a brilhar na escuridão deste mar
E que jamais se apagará do meu coração




Breve Comentário

Minha foto
Comecei com meus primeiros escritos por volta de 1988. Uma forma que encontrei para traduzir uma parte de meus pensamentos e sentimentos, pondo para fora assim algumas questões de meu coração. No decorrer dos anos, os pensamentos foram modelados e o coração domado, inserindo assim a cada sentimento e a cada pensamento um tom mais poético. Aproximadamente em 1999 comecei a trabalhar em uma história, que a partir de 2004 passei a chama-la de “Universo” devido à grande semelhança do universo com a mente humana. Ambos são infinitos e se conhece pouco sobre eles. Em 2008, 20 anos após meus primeiros versos, lancei na XX Bienal Internacional Do Livro De São Paulo a segunda parte da saga “Universo”, intitulada como Lais Stone. Neste blog procuro compartilhar um pouco do que escrevo, versos e pensamentos, e alguns registros em fotos. Obrigado pela visita, e seja bem-vindo a esta Galáxia.