sábado, 2 de janeiro de 2016

Sensações




Em meio a tantos pensamentos me perco
Me perco em meio a coisas que o vento leva
Tantas sensações que hoje são
Mas que no amanhã
Já não serão mais nada

Como uma criança brincando com o tempo, vivo
Como se a vida nos desse tempo de sobra, para viver
Para vivermos a desperdiçar tempo, na vida
Apenas para ver na vida no que tudo isto vai dar

Se os resultados baterão com a  esperança
Ou se confirmarão que tudo não passou de ilusão
Ilusões que nunca nos deixam boas lembranças
Apenas muitas cicatrizes no pensamento

Devido a todo tempo perdido
Em meio ao virar de tantas páginas
Onde entre todas 
Se tem como maior conquista
A de um dia se poder ser feliz



Nenhum comentário:

Breve Comentário

Minha foto
Comecei com meus primeiros escritos por volta de 1988. Uma forma que encontrei para traduzir uma parte de meus pensamentos e sentimentos, pondo para fora assim algumas questões de meu coração. No decorrer dos anos, os pensamentos foram modelados e o coração domado, inserindo assim a cada sentimento e a cada pensamento um tom mais poético. Aproximadamente em 1999 comecei a trabalhar em uma história, que a partir de 2004 passei a chama-la de “Universo” devido à grande semelhança do universo com a mente humana. Ambos são infinitos e se conhece pouco sobre eles. Em 2008, 20 anos após meus primeiros versos, lancei na XX Bienal Internacional Do Livro De São Paulo a segunda parte da saga “Universo”, intitulada como Lais Stone. Neste blog procuro compartilhar um pouco do que escrevo, versos e pensamentos, e alguns registros em fotos. Obrigado pela visita, e seja bem-vindo a esta Galáxia.