segunda-feira, 9 de maio de 2016

Máscaras



Carnaval. Muitos sonhos dentro de uma ilusão.






A “grande festa” se inicia tomando toda avenida
E a avenida enfeitada passa o ar de uma terra encantada
A euforia toma a alma e o colorido enche os olhos
Olhos que são janelas escancaradas para o coração

Tantos rostos
Tantos risos
Tantas vidas
A brilharem reunidas

Passistas que passam
E mulatas que sambam
Ao tom da bateria
Em um som que contagia

Porta bandeiras mostrando sua arte, toda sua habilidade
Bandeiras que não são carregadas com as mãos
Mas com o mais íntimo do coração
Com todo prazer que ha na alma

O melhor de si entregue naquele momento
Expresso pelo belo riso estampado no rosto
Em um momento único
Um momento inexplicável
Um momento inesquecível

Sambistas tomam toda avenida
Passam em seus passos majestosos
Chamando a si a atenção de todos
Feito mágicos renomados e glamorosos

Grandes carros e seus temas
Escolas em seus enredos
Carnavalescos e seus segredos
Cantando história e contando estórias

Enquanto os pés se fazem nos passos
E o enredo segue dentro do compasso
E os pés incansáveis mostram como é
O samba levado na ponta dos pés  

Lindos rostos e belos risos
Abandonando o anonimato
Se tornando conhecidos
Estrelas de um brilho repentino
Que reluzem por todo infinito

Até que as luzes de neon se apagam
Jogando tudo no esquecimento
E assim, ao tirar as máscaras
Cada peça retorne ao seu lugar

Antes que acabe o encanto
E se descubra que não existem fadas
E que a Cinderela nem era tão bela assim

Apenas estórias que contam
Para as crianças dormirem...
E viverem em seus sonhos

Antes que o dia chegue
E caiam as mascaras
E cada peça ocupe novamente o seu lugar




                                                    By Will Aflagal

Nenhum comentário:

Breve Comentário

Minha foto
Comecei com meus primeiros escritos por volta de 1988. Uma forma que encontrei para traduzir uma parte de meus pensamentos e sentimentos, pondo para fora assim algumas questões de meu coração. No decorrer dos anos, os pensamentos foram modelados e o coração domado, inserindo assim a cada sentimento e a cada pensamento um tom mais poético. Aproximadamente em 1999 comecei a trabalhar em uma história, que a partir de 2004 passei a chama-la de “Universo” devido à grande semelhança do universo com a mente humana. Ambos são infinitos e se conhece pouco sobre eles. Em 2008, 20 anos após meus primeiros versos, lancei na XX Bienal Internacional Do Livro De São Paulo a segunda parte da saga “Universo”, intitulada como Lais Stone. Neste blog procuro compartilhar um pouco do que escrevo, versos e pensamentos, e alguns registros em fotos. Obrigado pela visita, e seja bem-vindo a esta Galáxia.